Como escolher uma profissão: autoconhecimento

Gosto de definir profissão como um meio de trabalho onde você consegue expressar e realizar seus sonhos, seus valores e ainda é pago por isso.

Porém, se apenas 8% da população se encontra satisfeita com a profissão atual (e desses 8%, quantos se encontram realmente felizes?), aposto que a maioria discordaria dessa minha definição, quiçá a acharia utópica.

Bem, eu conheço pessoas vivendo essa “utopia”. Conheço pessoas que gostam e acreditam no que fazem, que vão motivadas para o trabalho.

E conheço estudos que corroboram essa minha percepção.

Há  dias  mais cansativos? Que você gostaria de ficar mais eternos 5 minutos enrolando na cama? Sempre tem.

Mas o brilho no olho ao exercer uma profissão que tem sentido e significado para você, não tem preço. (Para todo o resto, mastercard)

Então, para conseguir atingir esse nível de satisfação no trabalho, é preciso saber o que faz o seu olho brilhar.

O que tem significado para você?  Que tipo de situação te traz maior satisfação pessoal? Conquistas materiais? Estar em grupo e ajudar pessoas? Refletir e meditar sobre ideias, teorias e paradigmas? Será que felicidade está relacionada a resolver problemas, trabalhar com instrumentos, construir coisas? Ou talvez em expressar-se de forma criativa? Liderar equipes? Superar desafios?

E com que tipo de ambiente de trabalho você se identifica mais? O formal, com seu luxo e elegância sedutores, ou o mais despojado, com riso solto e roupas mais “descoladas”? Você quer trabalhar rodeado de pessoas, mais restrito a uma baia,  sozinho, na paz de um consultório ou na adrenalina da pressão em ter que tomar decisões importantes, em pouco tempo?

Qual seu perfil de personalidade? Quais suas habilidades e competências? O que poderia ser melhorado?

O que te faz rir? O que te traz uma sensação de utilidade no mundo? Que tipo de legado você quer deixar para o mundo, para seus filhos?

Que tipo de valores você sente orgulho em manifestar?

Responder essas questões é trabalho de uma vida. Demanda não apenas autoconhecimento, mas uma filosofia de vida. Mas cabe ressaltar que só é possível chegar perto de uma escolha de carreira acertada quando começamos a fazer esse tipo de perguntas e gerar esse movimento rumo a conhecer melhor quem somos, o que queremos e para onde desejamos ir.

Bons terapeutas ajudam – e muito – nesse processo de autoconhecimento. E, do lado de cá da mesa, eu diria que é uma das coisas mais gratificantes para mim ajudar um jovem (de 8 a 80 anos) encontrar seu caminho, definir um sonho e um sistema para conquistá-lo.

É uma realização indescritível trabalhar como uma Dream Coach. Mas essa é minha escolha, condizente com as respostas que estou delineando para as questões acima.

E você, está esperando o que para marcar um encontro consigo mesmo?

Anúncios

16 comentários sobre “Como escolher uma profissão: autoconhecimento

  1. Luisa disse:

    Nossa, esses teus posts sobre profissão estão demais.
    Autoconhecimento, é difícil chegar lá, mas tão importante, fundamental.
    Sinto que se me conhecesse melhor teria feito escolhas mais acertadas.
    Abraço!

    • Luisa, concordo plenamente com você. Mas veja, é sempre um processo, e quando estamos envolvida nele, a cada ano você descobre mais sobre você. E vale destacar que nunca é tarde para um mergulho mais profundo em nós mesmos. 😉

  2. Li disse:

    Queria tanto ter tido acesso a esse tipo de informação há 15 anos!!!
    Acabei escolhendo minha profissão pensando no retorno financeiro, pois as dificuldades da minha família tiveram um peso muito maior que qualquer outra coisa.
    Hoje, quando o dinheiro deixou de ser um problema, restou o desânimo diário ao sair para trabalhar por saber que não fiz a escolha certa.
    Penso muitas vezes em fazer uma nova graduação, mas como conciliar um trabalho cansativo, um curso noturno e atenção à família? Ainda não tenho filhos, mas já estou entrando numa idade “crítica” (perto dos 35). Aí fica minha dúvida: filhos ou nova graduação para, no futuro, tentar uma mudança de área?? E como deixar a segurança financeira do meu trabalho atual???
    Só por curiosidade, meu sonho é ser psicóloga!!!

  3. Li, pode parecer o maior clichê (e na verdade é), mas não desiste do seu sonho!

    Dá para conciliar vida familiar, profissional e acadêmica sim, só que vai dar mais trabalho.

    No período em que eu dava aula na universidade, no curso de Psicologia, tinha vários alunos mais velhos (mais de 40 anos), que tinham outro trabalho, filhos, enfim, uma série de atividades. Na maioria das vezes eram os mais interessados e que mais rendiam nas aulas..

    Não tenha medo. Mire-se no exemplo das pessoas que correram atrás do que sempre sonharam e conquistaram uma vida muito mais plena. Eu aposto que você consegue! 😉

  4. Patrícia da Silva disse:

    Estou com 31 anos e não consegui encontrar uma profissão. Me sinto muito infeliz por isso. Vou me fazer algumas dessas perguntas acima e ver se me encontro. O que mais seria bom? Um terapeuta?

  5. Olá Patrícia! Seja bem vinda!
    Infelizmente, essa sua queixa está se tornando cada vez mais comum, e exatamente nessa faixa etária, entre os 30 e 35 anos. Muitos se encontram insatisfeitos com a carreira atual, ou então pulando entre uma carreira e outra, sem se encontrar.
    No seu caso, uma rápida avaliação poderia nos dizer se para você é suficiente uma orientação profissional mais intensiva (em torno de 12 sessões) ou se é necessário fazer um acompanhamento mais psicoterapêutico além da abordagem mais profissional.
    Se puder ajudá-la em algo, mantenha contato. Um abraço!

    • Michelle Laves disse:

      Estou numa situação parecida, já me graduei, estou fazendo pós graduação, mas não consigo me inserir no mercado. No momento não tenho certeza se é isso que quero. Estou com 33 anos, e hoje me sinto completamente perdida profissionalmente.

  6. Diana Silva disse:

    Sinto-me tão infeliz sem animo . quando penso em tentar algo sempre tem um para me tirar as forças.parece que algo me impedir de realizar meus sonhos não sei se é psicológico tenho dificuldade de me expressar me sinto reprimida.

    • Olá Diana! Que bom que ao menos aqui você conseguiu se expressar. Identificar exatamente as dificuldades e os problemas atuais é o primeiro passo para conseguir resolver as situações que nào estão legais na sua vida, e quando estamos mais deprimidos, isso parece muito difícil, pois nossa mente acredita que TUDO está um problema e que NADA vai dar certo (o que não corresponde a realidade). Se a sua falta de ânimo está atingindo um nível de atrapalhar aspectos da sua vida, procure um profissional que possa ajudá-la a voltar a enxergar vida no seu cotidiano.. Não espere agravar ainda mais para buscar auxílio.

  7. jonatas disse:

    Tenho 38 anos, sou casado, tenho dois filhos e estou muito insatisfeito com meu trabalho. O que faço para realmente ter uma profissão satisfatória??? Estou com pensamento positivo para recomeçar e ser feliz, pode me ajudar nina?

    • Olá Jonatas! Você já está dando o primeiro passo, que é reconhecer que existe sim uma insatisfação (me parece que suficientemente grande) em sua vida e se propondo a mudar. É possível recomeçar? Sempre. SEMPRE. Serão necessárias mudanças radicais? Só avaliando o caso, mas nem sempre. Eu iniciaria um processo contigo identificando primeiramente quais são exatamente os motivos da insatisfação. É um problema de carreira? De ocupação? Do lugar onde trabalho? E a partir daí começar a traçar planos de ação! 😉
      É importante buscar um profissional de confiança que possa te auxiliar nesse caminho de renascimento. Conte comigo com o que precisar! 😉

  8. Diana Silva disse:

    Olá Nina obrigada por sua palavra de apoio. O que devo fazer para descobrir realmente que profissão escolher, quais perguntas devo me fazer . Fico muito na dúvida. Beijos…

    • Olá Diana,
      o processo, dependendo da situação em que nos encontramos, não é tão simples. Em geral, descobrir o que tem significado para a gente, o que faz nosso olho brilhar e quais os valores que queremos manifestar são caminhos para se chegar em alguma profissão. Mas observe como são perguntas difíceis, onde muitas vezes nem sabemos por onde começar a procurar as respostas. Nesse caso, um bom psicólogo que trabalha com orientação profissional ou até mesmo um bom profissional de coach podem ajudar. 😉

  9. taline_tumbert@hotmail.com disse:

    Nina,
    Estou nesse debate comigo mesmo da minha futura profissao.
    Ja sou formada em uma faculdade, a qual nao exerco e trabalho em uma area que não gosto por causa da remuneração.
    Como sou muito nova, tenho 22 anos, estou a procura do que realmente faz meu olho brilhar.

    Hoje, a internet, que é o meio mais comum de tirar suas duvidas, nao vem me ajudando muito em relação a minha futura profissao, mas seu texto….. nossa… está de parabéénsss!!!
    Abriu meus olhos para algumas coisas que estavam na minha cara e eu não estava enxergando…

    Acredito que ainda falta um pouco mais pra eu saber realmente o que quero, afinal, nao quero errar de novo na escolha da minha faculdade!

    Estou a procura de um psicologo para me ajudar nisso…
    Você poderia me ajudar com mais informações?

    Obrigada

    • Oi Taline!! Obrigada por suas palavras! Sempre me motivam a dar um “gás” e acelerar meu projeto do blog/site. 🙂
      Quanto às informações, acredito que posso te ajudar sim. Que tal mantermos contato por e-mail?

      Um grande abraço!

  10. Ricardo disse:

    Sensacional !!! gostei bastante do que li.
    Gostaria de alguma dicas, ou até marcar uma consulta para tomar um rumo na minha vida logo!

    [ ]’s

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s